Quem não sabe é como quem não vê: a invisibilidade das mulheres instrumentistas na vila termal de Vidago

Research output: Contribution to conferenceAbstractpeer-review

4 Downloads (Pure)

Abstract

A descoberta das águas minerais em Vidago (Trás-os-Montes), em 1863, despertou o interesse na exploração desse recurso, através do turismo e do engarrafamento da água. Face ao elevado número de aquistas que procuravam a estância, foram construídos mais de uma dezena de estabelecimentos hoteleiros, que promoviam diariamente actividades desportivas e eventos com música ao vivo. A expectativa de complementar os rendimentos do emprego principal com uma actividade musical paga durante o período termal (de Junho a Outubro) levou a que se formassem diversos conjuntos. Com a revolução de 1974 e a alteração das políticas de termalismo, na década de 1980, houve um decair da frequência de termas ao nível nacional, tendência a que Vidago não foi excepção. Com o decréscimo da actividade termal, decaiu a economia local e o investimento no entretenimento e na música. A população diminuía de ano para ano, e os serviços de animação musical deixaram de ser requisitados por fecho dos hotéis. A manutenção dos grupos musicais tornou-se inviável, conduzindo à sua extinção. Nesta comunicação pretende-se recuperar a memória da presença feminina na actividade musical em Vidago. Trata-se de uma zona considerada “periférica” ou “rural” e que, por isso, quando perdeu relevância no panorama turístico do país, viu a preservação da sua história negligenciada. A ausência de imprensa local ou de gravações no período em estudo constituiu um entrave à investigação, colmatado pela colaboração com o colecionador Júlio Silva. O seu espólio privado incluí fotografias de época dos conjuntos musicais vidaguenses, onde figuram mulheres instrumentistas. No entanto, em entrevistas a elementos da comunidade, verificou-se que a memória colectiva das mulheres instrumentistas encontrava-se esbatida, desconhecendo-se nomes e percursos – o que não acontecia nas recordações dos homens músicos. A visualização das fotografias activou reminiscências de memórias, que conduziram à identificação destas mulheres e dos seus descendentes, recuperando a sua história.
Original languagePortuguese
Pages86-87
Number of pages2
Publication statusPublished - Jun 2019
EventInternational Congress Hidden Archives, Hidden Practices: Debates about Music-Making - Universidade de Aveiro, Aveiro, Portugal
Duration: 28 Jun 201930 Jun 2019
http://hahp2019.web.ua.pt

Other

OtherInternational Congress Hidden Archives, Hidden Practices
Abbreviated titlehahp2019
CountryPortugal
CityAveiro
Period28/06/1930/06/19
Internet address

Keywords

  • Memória
  • Mulheres instrumentistas
  • Termalismo
  • Vidago
  • Turismo

Cite this