Quem tem razão, Kant ou Stendhal? Uma reflexão sobre a crítica de Nietzsche à estética de Kant

Research output: Contribution to journalArticlepeer-review

Abstract

O artigo é uma reflexão sobre o modo como, na "Genealogia da Moral", Nietzsche repensa "o problema estético" a partir da oposição entre a concepção kantiana do belo como predicado de um juízo "desinteressado" e a concepção stendhaliana do belo como efeito de uma "cristalização" e uma "promessa de felicidade". A chave do pensamento de Nietzsche neste contexto está no conceito de "embriaguez" (Rausch), por um lado, como termo-chave para designar a "pré-condição fisiológica" da arte, mas, por outro, como um processo de espiritualização dos instintos ou das pulsões que as interioriza e intensifica. Esta espiritualização distingue-se da contemplação desinteressada porque não nos des-afecta e porque é, em grande medida, uma espiritualização da sexualidade, mas não deixa, por isso, de implicar uma reavaliação dos valores e uma ampliação do horizonte do humano. É por isso que a arte pode ser pensada como um "contra-movimento" que afirma a vida e combate o "ideal ascético" e o "niilismo europeu".
The present article is a reflection on the way how, in "Genealogy of Morals", Nietzsche rethinks "the aesthetic issue" based on the opposition between Kant's conception of beauty as a predicate of a "disinterested" judgment and the stendhaliana conception of beauty as the effect of a "crystallization" and a "promise of happiness". The key to the thought of Nietzsche's in this context resides on the concept of "intoxication" (Rausch) on the one hand, as a key-term to designate the "pre-physiological condition" of art, but on the other hand, as a process of spiritualisation of the instincts or of the drives, which internalizes and intensifies them. This spiritualization is distinguished from disinterested contemplation for it does not dis-affects us, and because it is by large a spiritualization of sexuality, without renouncing to imply a revaluation of the values and a widening on the horizon of the human. That is why art can be thought of as a "counter-movement" that affirms life and fights the "ascetic ideal" and the "European nihilism".
Original languagePortuguese
Pages (from-to)475-495
Number of pages21
JournalKriterion
Volume54
Issue number128
DOIs
Publication statusPublished - 1 Jan 2013

Keywords

  • Arte
  • Juízo estético
  • Cristalização
  • Espiritualização
  • Niilismo
  • Art
  • Aesthetic judgment
  • Crystallization
  • Spiritualization
  • Nihilism

Cite this